7 competências digitais para arranjar emprego

Actualmente há uma noção generalizada de que os trabalhadores do presente e os do futuro têm de ter as competências adequadas para poder funcionar no mundo digital. Recentemente o ministro da economia lembrou que “para interagir com um robô ou para avaliar as quantidades de dados que as máquinas de produção vão gerando é preciso ter uma preparação especial”.

As empresas estão a entrar numa era “pós-digital”, onde o sucesso será baseado na capacidade de uma organização dominar um conjunto de novas tecnologias de forma a entregar experiências e realidades personalizadas a clientes, colaboradores e parceiros.

A informação disponível diz-nos que ainda há uma boa parte da população portuguesa com grande défice deste tipo de conhecimento e que 38% dos recrutadores tem dificuldades em encontrar pessoas com as competências adequadas.

É previsível que, até 2020, mais de 90% dos postos de trabalho na União Europeia vão exigir competências digitais. Algumas das profissões que existem actualmente vão desaparecer nos próximos anos devido ao avanço tecnológico, enquanto outras serão criadas.

Acima de tudo isto está o maior desafio: a capacidade de ensinar as novas gerações, e a população activa no geral, a pensar na forma como as tecnologias digitais podem ajudar a resolver problemas concretos.

Quais as ferramentas tecnológicas que deve dominar?

  1. Usar vários canais de comunicação: deve conseguir comunicar e colaborar com outras pessoas (dentro e fora da empresa) em ambientes digitais, através de mensagens por email, skype, aplicações, redes internas e externas, comunidades, entre outros. É bom conhecer também diversas ferramentas online vocacionadas para a gestão de tarefas colaborativas como, por exemplo, Jira, Trello, Basecamp, Asana, Microsoft Project ou Kanban.

 

  1. Usar com facilidade multiplataformas: saber usar sem hesitações um computador ou tablet, trabalhar com à vontade em ambiente Windows, Mac, etc., é imprescindível. Deve dominar diversas plataformas, sistemas, softwares e suportes, sem esquecer os serviços de armazenamento na cloud, de que é exemplo o DropBox. Da mesma forma, identificar o software ou sistema que é preciso para resolver determinado problema é absolutamente necessário.

 

  1. Dominar mecanismos de segurança: para as empresas é fundamental, e será no futuro, a confidencialidade e a protecção de dados, num ambiente web, todos os dias com novas ‘ameaças’. Por isso é preciso saber gerir bem as configurações de segurança e privacidade dos equipamentos, softwares, aplicações, serviços e plataformas.

 

  1. Gerir identidade digital: quando faz parte de uma empresa, saber comunicar no tom e registo definido pela empresa/marca/instituição é muito importante. Da mesma maneira, a sua presença deve ser adequada  no universo digital, redes sociais, etc., porque pode ser prejudicado por isso aos olhos de quem contrata. Atenção a fotos, vídeos ou comentários despropositados nestes meios de grande exposição pública. Proteja a sua privacidade e não se exponha em excesso.

 

  1. Pesquisar informação de qualidade: nem tudo o que pesquisa nos motores de busca da internet é verdade e é com essa mentalidade que tem de partir para a pesquisa e análise de informação. Saiba pesquisar em fontes fiáveis: regra geral as instituições de referência e/ou a imprensa credível (fuja da sensacionalista) são boas fontes de informação. Mas escrutine tudo o mais possível antes de assumir a informação como válida: é que vivemos mesmo na era das notícias falsas. Saber localizar textos, imagens, vídeos, mapas e outros conteúdos é uma competência digital importante – tal como saber organizá-la e guardá-la.

 

  1. Produzir conteúdos digitais: é bom saber usar editores de texto, folhas de cálculo, programas de design, edição de vídeo e fotografia, construção de sites, etc., de modo a produzir conteúdos digitais e partilhá-los, se necessário. Neste sentido é importante também ter noção dos direitos de autor e licenças de utilização da informação que recolhe em ambiente digital.

 

  1. Marketing digital e programação: para onde quer que vá trabalhar, de uma grande empresa, a um pequeno negócio, há quase sempre uma presença online que precisa de ser gerida. Um site próprio, redes sociais, email marketing ou ferramentas como Google AdWords, Google Analytics ou SEO são a base para promover produtos ou serviços ou comunicar e manter a ligação com o público-alvo. Portanto, compreender e usar noções de marketing digital e ter noções básicas de programação cada vez mais podem fazer a diferença no mercado de trabalho.

One thought on “7 competências digitais para arranjar emprego

  1. Domino tudo o que foi referido no artigo e ainda não consegui ter um emprego no verdadeiro sentido da palavra! Em Portugal é tudo muito difícil. Só é fácil para alguns…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *